Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

16
Jul18

Mimo de avô

Revista Saúda

DSC07409.JPG

O avô Zé Luís – pai do Hugo – gosta muito de visitar os netos de manhã, mesmo durante a semana. Mas boas, boas são estas visitas ao fim-de-semana em que a Margarida anda sempre atrás do avô a chamá-lo para vê-la a andar de bicicleta, jogar à apanhada e à bola. O Rodrigo observa tudo e parece também querer entrar na brincadeira. São visitas curtas, mas muito bem aproveitadas.

Vera 

12
Jul18

Os amigos do Rodrigo

Revista Saúda

Vicente.jpg

 

O Rodrigo reage muito bem aos filhos dos nossos amigos que também têm bebés. Com o Vicente por exemplo, ele dá às pernas...é sinal que está contente. Desde o nascimento que estes dois bebés têm convivido por nosso intermédio e agora partilham a mesma sala no infantário. Dá-nos a sensação que já se reconhecem. Sempre que se olham sorriem um para o outro. É um sorriso engraçado de ser ver e as pernas de ambos fazem quilómetros. O caminho deles está traçado para virem a ser grandes amigos.

Vera 

10
Jul18

Quando o rei faz anos

Revista Saúda

ANF05012018DSCF3387.JPG

 

Não posso dizer que temos noites más, mas estar com a Vera e os pequenos no quarto a dormir durante um longo período, só acontece quando o rei faz anos. O que é normal depois do jantar, de a cozinha estar arrumada é estarmos um bocadinho entretidos com os pequenos. Depois a Vera dá maminha ao Rodrigo, ele adormece, ela adormece e a Margarida, que fica a ver televisão no nosso quarto e também adormece. Quando me vou deitar, levo a Margarida para a cama dela e eventualmente o Rodrigo também. Quando a cama está superlotada é inevitável que tenha que devolver os meus filhos às suas camas. Isso acontece lá por volta das dez e meia. Depois, ao longo da noite eles vão acordando de forma intermitente.     

Hugo

 

05
Jul18

Casa vazia

Revista Saúda

ANF_Bebe_Fundão_025_net25.jpg

 A Margarida às vezes vai dormir a casa dos meus pais e quando acordamos de manhã a primeira sensação é: «que vazia está a casa!». Porque quando está o furacão Margarida acorda os pássaros, o irmão, o cão, basicamente toda a gente. A verdade é que sentimos a falta dela. Como é que um ser tão pequenino consegue fazer-se notar desta maneira? Por um lado, sabe-nos bem-estar a três porque o Rodrigo ainda não faz tanto ruído, por outro sentimos falta da confusão. Normal é andar a correr atrás da Margarida e encher o Rodrigo de atenções, sem isso parece que nos falta qualquer coisa.

Vera   

02
Jul18

Jeito para comunicador

Revista Saúda

ANF_Bebe_Fundão_038_net38.jpg

Muitos sorrisos, boa disposição e noites mal dormidas, tudo presentes do Rodrigo. O nosso filho tem alguns dentes diz adeus, faz um gesto com a mão e diz «cá» para chamar. Diz: «olá, mamã, papá, mama e papa». Faz também muitos barulhos. Destaque para o facto de imitar o barulho do jipe do Hugo. É muito reactivo às manas e sempre que vê o Rex – o nosso cão – ri às gargalhadas. A posição preferida é sentado, no chão, de perna no ar e já ninguém o consegue parar. Tudo o que é mesa ou sofá serve de apoio para se levantar.

 Vera 

28
Jun18

Ser bombeira voluntária nos dias de hoje

Revista Saúda

 

Não é fácil ser voluntário, quando se trabalha, tem casa, marido e filhos, mas o amor e a dedicação à causa transformam o impossível em possível. Faz-me bem, sinto-me útil e sei que os meus filhos vão sentir orgulho nos pais. Quando tomei a decisão de progredir na carreira de bombeira – promoção a subchefe– sabia que teria de fazer um esforço porque o Rodrigo é muito pequeno e a Margarida requer muita atenção. Fiz formação pós-laboral numa localidade a mais de uma hora de casa de quarta a sexta-feira e também ao fim-de-semana. Só o fiz com a ajuda do Hugo e dos meus pais e muita força de vontade para aprender, rever conceitos e melhorar o desemprenho como elemento de chefia. O dia da mãe não foi o expectável. Em vez de abraçar os meus filhos, vesti a farda e concluí com sucesso a formação de chefe de equipa de incêndios urbanos. Senti saudades deles, mas sou da opinião que o dia da Mãe será todos os dias. Dia 27 de Maio foi um dia de muitas emoções, concluí também a formação de chefe de equipa de incêndios florestais e fui condecorada com os galões de subchefe. Para vestir a farda é preciso muito mais do que formação, é preciso ter coragem, tempo, motivação e acima de tudo, amor à causa e gostar de ajudar o próximo. Gosto de receber em troca um sorriso de um doente terminal, a felicidade de uma mãe que deu à luz, ou a história de um velho que nos transmite experiência de vida ou sorri apenas pela nossa presença. De todos os bombeiros que conheço não há um que se arrependa da escolha que fez. É esta força que nos faz ser bombeiros. 

Vera  

25
Jun18

Baptizámos o Rodrigo

Revista Saúda

O livro “Principezinho”, de Antoine de Saint-Exupéry marcou presença num dia muito especial para a nossa família: o baptizado do Rodrigo. Foi tudo organizado ao pormenor para que o Rodrigo brilhasse, como as estrelas que iluminam o céu. O Rodrigo portou-se muito bem. Nem sequer chorou, já eu emocionei-me muito porque tinha a Nossa Senhora de Fátima à minha frente. Foi um dia lindo em que estiveram presentes todas pessoas importantes da nossa vida.

 

 

 Vera 

 

21
Jun18

Rapaz serrano vende saúde

Revista Saúda

 

Até agora o Rodrigo tem sido um bebé saudável, graças a Deus, e esperamos que assim continue. Às vezes tem um bocadinho de tosse, principalmente se a Margarida também está com tosse, mas nada de significativo. Nunca teve picos de febre e nunca teve nada de muito grave. Para a tosse tentamos hidratá-lo o mais possível. Como não liga muito à água dou-lhe sobretudo maminha. Tenho sempre o cuidado de lhe limpar o nariz com água do mar de manhã e à noite, ainda que ele não esteja constipado, faço sempre isso. Quando está com algum corrimento aspiro. São cuidados que ele odeia, mas que o previnem de muitos dissabores.

 Vera 

ANF_Bebe_Fundão_046_net46.jpg

 

Dizem que as crianças que se alimentam de leite materno até mais tarde são mais saudáveis. Tanto a Margarida como o Rodrigo nunca tiveram necessidade de leite adaptado. Penso que este pormenor cria outras defesas que a maior parte dos bebes que não bebem leite materno não têm.

Hugo

Publicidade

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D