Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

13
Fev19

As heranças do pai

Revista Saúda

rodrigo_soneca.jpeg

 

Contam as minhas tias e os meus pais que, quando eu era pequeno, adormecia em qualquer lado. Chamavam pelo Hugo e lá estava ele a dormir a sestinha. Uma vez, devia ter a idade do Rodrigo, estava à mesa a jantar e simplesmente adormeci. O Rodrigo herdou de mim esse hábito. Sempre que se quebra a rotina do infantário ao almoço, adormece à mesa. Por vezes já come a pestanejar. Ao fim-de-semana o almoço não pode passar das 12h30, porque o resultado é uma sesta à mesa. Ainda hoje, sempre que posso, gosto de dormir a sesta depois do almoço.

 

Hugo

 

12
Jan19

O lugar (só) dele

Revista Saúda

IMG_20190109_090231.jpg

O Dinis arranjou lugar cativo na escola. Tem a sua própria rotina: aceita ir ao nosso colo até à entrada da escolinha, mas depois quer logo ir para o chão e entrar com o irmão. Assim que chega, despe o casaco e coloca-o no cabide. Logo a seguir vai sentar-se no banco que é dele. Aquele tornou-se um lugar especial pois já toda a gente sabe - e acha piada – porque ele assume que é só dele. Certo é que, se por acaso, uma outra criança se senta lá, ele chega e reage dando-lhe uma palmadinha.
Luís

01
Dez18

Ao teu ritmo

Revista Saúda

mrrjg18112600010.jpg

Quando se tem filhos, muitas vezes, o decorrer do dia não acontece como se quer, mas como se pode. É preciso gerir as nossas frustrações e também as do nosso filho. Dou-vos um exemplo: no outro dia tivemos um jantar de família - o meu sobrinho do meio fazia anos -, mas quando estávamos a chegar ao restaurante o Rodrigo estava com sono. O Diogo teve, então, de ir dar umas voltas de carro para ver se ele adormecia pois, se não o fizesse, sabíamos que ele não iria estar capaz de estar no jantar.
Estes compassos de espera acontecem quando temos coisas combinadas [risos].
Ana e Diogo

19
Set18

Chega depressa, pai

Revista Saúda

Mag_011.JPG

Ultimamente dou por mim a desejar que os dias passem rápido e a noite chegue depressa, pois sei que tenho ajuda. O Daniel passa muito tempo no trabalho, chega tarde a casa, muitas vezes depois da hora de jantar e isso deixa-me sobrecarregada não só com as tarefas de casa, mas também com estes dois pequenos índios que vieram animar - e de que maneira! - as nossas vidas.
Às vezes, estou com o telemóvel na mão e tenho vontade de enviar uma mensagem ao Daniel pedindo-lhe para que não demore a chegar. No entanto, acabo por não lhe dizer nada pois sei que também é muito penoso para ele passar pouco tempo connosco. Quando o Daniel decidiu aceitar o novo trabalho estávamos conscientes de que esta gestão iria ser difícil.


Ana

28
Ago18

Cheirinho de mãe

Revista Saúda

mrf20170831_MG_192800084.jpg

Quando chega a noite e me deito, o Rodrigo adormece comigo na cama mas se me volto para o outro lado da cama, ele também se volta no mesmo sentido. Acredito que é por causa do meu cheiro, ele sente que a mãe está ali. Por este motivo gostava de tentar mudá-lo para o próprio quarto para ver se ele se adaptava e não ficava tão dependente do cheiro e do contacto da mãe. Até já cheguei a experimentar pôr uma camisola minha, quando ele está na cama, mas não resultou.

Quando foi com a Margarida este processo foi tão diferente, aos cinco meses ela já estava a dormir no próprio quarto. Acordava só uma vez durante a noite, e eu, claro, levantava-me, dava-lhe de mamar e voltava a deitá-la. Ela voltava a dormir, mas o Rodrigo é muito, muito diferente.

Vera

25
Ago18

Levanta-te mãe

Revista Saúda

 

ANF_bebe_Fundão_50.jpg

O Rodrigo está numa fase em que anda muito apegado à mãe e acorda muitas vezes durante a noite. Já falamos em pô-lo a dormir no próprio quarto, mas, sinceramente, ainda não estou a ver a Vera a deslocar-se ao quarto do Rodrigo três ou quatro vezes por noite… Ainda é mais confortável ter o berço no nosso quarto. É um processo progressivo. Talvez durante este Verão se faça a mudança.

Hugo

29
Jul18

A rotina do sono

Revista Saúda

 

ANF_Alive_net_008.jpg

É muito raro o Rodrigo dormir noites inteiras. Desde cedo percebemos que ele precisava muito do contacto connosco para se acalmar e adormecer. Por isso a opção pelo babywearing foi uma ajuda preciosa nos primeiros meses de vida. Hoje em dia a rotina de sono do Rodrigo passa por acordar perto das 08h00 ou 09h00 da manhã, fazer uma sesta de manhã perto das 11h00 e outra a seguir ao almoço - a qual por vezes pode "derrapar" para o final da tarde, quando vamos os dois passear perto de casa.

Depois do jantar, por volta das 21h30, é quando o levamos para o quarto e o tentamos adormecer. Nem sempre é fácil que durma nem que o faça durante muito tempo, às vezes acorda duas ou três vezes, ou mais, durante a noite!

Um dos truques que temos usado ultimamente é um difusor de óleos essenciais com Lavanda que colocamos a funcionar antes de o levar para o quarto, pois tem um efeito calmante. A verdade é que temos conseguido que durma mais noites seguidas ou com apenas uma interrupção o que é óptimo para o descanso dele e nosso também. 

23772877-6cd7-4e08-b7cb-5610e6e8269c.JPG

 Diogo

 

26
Jun18

Não lhe troquem as rotinas

Revista Saúda

 

170802 ANF bebesauda ovar rm-1171.jpg

Não há margem para dúvida: os miúdos têm todos uma rotina. Quando saem do ritmo, que lhes é habitual, é um problema. Já reparei que se, por acaso, a Margarida não dorme bem, nem de manhã nem à tarde, fica instável ao longo do dia. 

Por mais incrível que possa parecer, quando um bebé não dorme a tendência é achar que adormecerá a qualquer momento, mas isso não é bem assim. Por exemplo, com a Margarida acontece exactamente o contrário: se passou a hora de ela dormir, já não dorme mais. Fica muito chata, não quer lanchar nem jantar. No meio de tudo isto, eu vejo-me aflita pois ela só quer mama.


Ana

16
Mai18

Escada acima, escada a baixo

Revista Saúda

1_dia033.jpg

A mudança para esta casa obriga-me a fazer bastante exercício físico. Isto porque temos escadas. Qualquer coisa de que precise seja fraldas ou algum casaco para a Margarida ou para o Daniel tenho de ir lá acima onde estão os roupeiros e a maioria das coisas deles. Passo os dias, escada acima, escada abaixo.
O mais chato é que, muitas vezes, quando já estou a descer as escadas, olho e vejo que me esqueci de algo e lá volto eu a subir degrau a degrau.
Para além das escadas dentro de casa temos garagem. É lá que estaciono o carro, sempre que saio à rua com os meninos. Quando isso acontece tenho outras escadas à minha espera (risos) São umas escadas que, a partir da garagem, dão acesso ao interior da casa. Ando o tempo todo ora para cima ora para baixo. Mãe sofre!
Ana

Publicidade

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D