Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

21
Dez19

Melhores pessoas

Revista Saúda

_DSF3504.jpg

Não temos dúvida: somos melhores pessoas graças ao nascimento do Rodrigo. Estamos sempre a aprender com ele. Obriga-nos a saber mais sobre educação, a ler emoções, lidar com situações complicadas. Às vezes irritamo-nos, mas acabamos por perceber que não serve de nada. Por outro lado, aprendemos a funcionar em equipa. Quando ele exige atenção e estamos cansados, um de nós assume o comando ou falamos com ele e procuramos explicar isso mesmo.

Diogo

17
Dez19

Sinais

Revista Saúda

 

_DSF3712.jpg

Cá em casa não somos apologistas de horários muito rígidos. Acima de tudo, preocupamo-nos em perceber qual é o estado de espírito do nosso filho. No outro dia, por exemplo, lanchámos tarde pois resolvemos comer panquecas. Achámos por isso que o Rodrigo não iria jantar muito, mas enganámo-nos. (risos) Ele comeu sopa e dois pratos! Às vezes os miúdos querem comer, outras vezes não e, ainda assim, está tudo bem. Quando percebemos que não é obrigatório comerem determinadas quantidades a horas certas, relaxamos. E eles acabam por aproveitar a comida de uma outra maneira.

Ana

30
Nov19

Eu faço

Revista Saúda

 

_DSF3612.jpg

O Rodrigo é uma criança cada vez mais autónoma. Há tarefas que ele gosta especialmente de fazer sozinho, como a escolha da roupa. Já tenta calçar os sapatos e gosta em especial de escolher as meias. Quando chega a hora de tomar banho também insiste em despir algumas peças de roupa.  Ultimamente gosta de ser ele a colocar a mochila da escola dentro do carro e de subir para a cadeirinha onde viaja.

Ana e Diogo

10
Out19

Gosto muito de desenhar o pai

Revista Saúda

Gosto muito de desenhar o pai.jpg

O Rodrigo gosta muito de fazer desenhos. A Margarida sempre gostou muito de fazer desenhos e ele copia tudo o que a irmã faz. Assimila os conceitos de pai e carro e tenta fazer uns desenhos parecidos com um carro e o pai. Agora como estou em casa, ele desenha-me mais. Mostra a necessidade de estar com o pai nos desenhos. É muito engraçado.

Hugo

01
Mar19

Filhos açambarcam cama dos pais

Revista Saúda

IMG_20190208_082616.jpg

As noites tranquilas duraram pouco tempo. Os meus filhos adoram dormir na nossa cama e, de há duas semanas para cá, interrompem-nos o sono para irem dormir na nossa cama. Normalmente a Margarida acorda primeiro, a chamar por mim e a pedir para fazer “naninha”, que 'quero ir para a tua cama'. E vai, claro. Caso contrário berra e esperneia até que eu ceda. Passado pouco tempo lá vem o meu filho, sempre acompanhado da sua almofada, exigindo deitar-se no 'seu lado', onde se deita o pai. O Daniel pai, coitado, vai sonolento deitar-se no quarto dos meninos onde passa o resto da noite.
Isto não é fácil...

Ana

 

 

28
Jan19

O exemplo a seguir

Revista Saúda

Há um ano o Rodrigo começou a introdução à alimentação complementar. Foi um período muito engraçado de muita experiência nova e aprendizagem, tanto para ele como para nós. Um ano passou e começou a comer sozinho. Muitas vezes está a comer a sopa e pede para comermos também, como se fôssemos o "exemplo a seguir". Isso leva-nos a perceber que ele está muito atento a tudo o que fazemos e somos de facto o exemplo dele. Portanto nada melhor do que comer bem, respeitar o momento à mesa, aproveitar para contarmos por exemplo como foi o nosso dia. Este momento a três fortalece a relação como família. E sim, todos temos que comer a sopa.


Diogo

14
Jan19

O momento certo

Revista Saúda

 

 

ANF_bebe_Belem_15_net15.jpg

Uma aprendizagem recente que fizemos foi aprender a reconhecer aquilo que são identificados como os períodos sensíveis, ou seja, fases em que a criança está focada em determinada acção. No caso do Rodrigo identificámos que, há umas semanas atrás, ele se concentrava, em especial, em conseguir subir e descer escadas. Isso traduzia a capacidade de treinar algo que vai fazer parte da vida dele. Tentamos potenciar ao máximo estes períodos. Não o paramos nem dizemos coisas como: - «Rodrigo, já subiste as escadas 10 vezes. Agora não o faça mais!». Se ele tem essa vontade e necessidade, deixamos que a treine – não quer dizer que fique uma tarde inteira a subir ou a descer escadas.

Ana e Diogo

01
Jan19

Os filhos e o casal

Revista Saúda

 

BebeSauda_TVC2795IF.jpg

É inegável: ter filhos muda muito a vida de um casal. Os filhos absorvem muito do nosso tempo e acabam sempre por ser a prioridade.
Já nos tem acontecido, por exemplo, - e até mais do que uma vez – tirar uma manhã ou uma tarde para irmos almoçar juntos enquanto eles estão na escola, mas, de repente, telefonam-nos a dizer: «O Dinis está doente!» ou «O Miguel tem febre», e lá vamos nós buscá-los.
Quando eles estão na escola permite-nos ter tempo e libertar-nos para o resto da vida. É ambíguo dizer isto, mas há, efectivamente, uma necessidade de “desligar” e de termos tempo para as nossas coisas.
Achamos que não é saudável os filhos estarem sempre, e a toda a hora, com os pais. O mundo fica fechado e ficam demasiado apegados a nós.
Luís e Zara

Publicidade

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D