Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

19
Jul19

Diga não ao escaldão

Revista Saúda

Luisaleal.jpeg

 

O sol é essencial à vida mas nunca é demais relembrar os seus perigos, entre os quais as queimaduras solares, os famosos escaldões.

Devemos por isso protegermo-nos dos raios solares e redobrar a atenção com os mais pequenos, que devem ter cuidados especiais.

Para o bebé ou criança pequena escolha um protector hipoalergénico com filtros físicos.

Os mais pequeninos não devem estar expostos directamente à luz solar, devendo além da aplicação do protector solar, ser protegidos com vestuário, óculos escuros e chapéu-de-sol de abas largas. Lembre-se de oferecer água com regularidade, porque mesmo que não sintam sede está a evitar a desidratação.

Porque não existem protectores solares completamente resistentes à água, é necessário voltar a aplicá-lo após as banhocas. Apesar de estar na água a radiação UV penetra até 50 cm dentro de água, provocando queimaduras solares nas zonas do corpo mais expostas, como a face, ombros e tronco.

Na praia ou no campo siga os conselhos da sua farmacêutica e diga não ao escaldão.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

29
Mar19

Lanches fora de casa

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

Com a chegada da Primavera e do bom tempo os lanches no jardim fazem as delícias de miúdos e graúdos. Está na hora de tirar a manta da gaveta e o cesto do Picnic da arrecadação.

Opte, preferencialmente pela fruta, de preferência por peças para “comer à dentada” ou …que não fiquem escuras depois de descascadas.

É aconselhável lavar muito bem todos os frutos antes de os consumir, mesmo aqueles que vão ser posteriormente descascados, deve retirar a casca, se não tiver segurança em relação aos pesticidas que foram usados durante o cultivo, uma vez que grande parte dos químicos usados acumula-se na casca.

A acompanhar fica a sugestão de um pão de Banana que além de ser fácil de confecionar, é delicioso e fácil de transportar.

Leva apenas:

  • 2 Bananas maduras
  • 2 Ovos
  • 1 Chávena de farelo de aveia
  • 1 Chávena de farinha espelta
  • 1 Colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 Chávena de óleo de coco (à temperatura ambiente) 

    PÃO DE BANANA (002).jpg

     

  1. Triturar as bananas no robot de cozinha
  2. Adicionar os restantes ingredientes
  3. Bater tudo até ficar uma massa homogénea
  4. Untar muito bem uma forma rectangular e deitar a massa
  5. Levar ao forno, pré-aquecido a 180 graus, até ficar cozido, aproximadamente durante 25 minutos.

Para completar o cesto do lanche junte um cantil com água e chapéus para todos.

E claro que não pode faltar o protector solar aplicado antes de sair de casa.

Quando chegar ao jardim escolha uma sombra para estender a manta, bom lanche!

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

01
Mar19

Brincadeiras de Carnaval

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

Chegou um dos dias mais aguardados pela pequenada, o Carnaval!

É tempo para vestirem a pele do seu super-herói, da princesa favorita, do astronauta ou da bailarina. É vê-los a desfilar pela rua e na escola perante os olhares babados dos papás, de telemóvel em punho a registar todos os ângulos e poses das suas mini personagens num mundo faz-de-conta.

Para ajudar a tornar este momento ainda mais mágico juntam-se às fatiotas as pinturas de rosto. Certifique-se que estas cumprem todas as normas de segurança de brinquedos e cosméticos. Também devem ser à base de água e tão fáceis de aplicar como de remover. Quando escolher uma tinta de rosto e corpo verifique se são indicadas para a pele sensível da criança e que não contêm perfume nem parabenos.

Na hora de retirar as pinturas, prefira produtos de limpeza suaves, que reequilibrem a pele. Se usar água opte por um creme lavante  nutritivo, que preserve o filme hidrolipidico, respeitando perfeitamente o equilíbrio cutâneo bem como os efeitos secantes da água calcária. Se optar por uma limpeza sem enxaguamento aplique num algodão uma água de limpeza directamente nas zonas a limpar, com movimentos suaves. Após a limpeza aplique um cuidado hidratante, para recuperar o conforto da pele que pode ficar seca ou sensibilizada devido às tintas.

Em caso de dúvida pergunte à sua farmacêutica.

Boas brincadeiras!

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

15
Fev19

Mimos de São Valentim dentro do prazo de validade

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

A propósito do dia dos namorados, mime o seu mais que tudo, com um produto de dermo cosmética. Na sua farmácia, tem à sua disposição uma gama alargada de produtos, entre os quais cuidados hidratantes, de higiene, reparadores, antitranspirantes ou capilares.

Além de escolher o produto adequado ao tipo de pele ou cabelo, deve armazená-lo correctamente e respeitar o seu prazo de validade.

As coisas estragam-se: é um facto da vida. Por vezes a mudança é lenta, como quando falamos da decomposição de alguns plásticos que sabemos demorar centenas de anos… Por vezes é rápida, como quando deixamos a sopa fora do frigorífico e ao fim de dois dias está azeda.

Os processos que fazem com que os produtos se estraguem são muitos e variados, mas o importante a reter daqui é que lá porque são sintetizados em laboratório ou porque aparecem numa forma que se nos aparenta mais ou menos invulnerável, não implica que não se estejam a degradar.

Quando um produto é autorizado a ser comercializado tem de trazer consigo alguns “estudos de estabilidade”, ou seja, a informação do que acontece quando está exposto a determinadas condições de armazenamento durante determinado período de tempo. É com base nisso que se calcula o prazo de validade do produto, que é o tempo estipulado pelo fabricante na qual é garantida a utilização segura de um produto em boas condições:

  • Se o produto tem uma durabilidade mínima superior a 30 meses, deve indicar no rótulo o símbolo (boião aberto) que inclui o período de utilização em meses e/ou anos.
  • Se a durabilidade mínima é inferior a 30 meses tem que estar indicado no rótulo uma data limite de utilização.
  • Mas existem cosméticos sem prazo de validade indicado na embalagem, isto acontece no caso de produtos que não correm risco de deterioração ou de produtos que não se abrem (aerossóis)

 

É verdade que o produto muitas vezes está “bom” mesmo depois de passar o prazo de validade impresso, mas depende muito de vários factores,como as condições em que esteve armazenado.

Por isso produtos que estão fora do prazo  (impresso ou depois-de-aberto), ou que estiveram em condições de armazenamento menos-que-adequados devem ser entregues na farmácia.

Em caso de dúvida fale com o seu farmacêutico.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

04
Jan19

Ano novo, miúdos para a rua!

Revista Saúda

Farmacéutica.jpg

 

Sair de casa, trocar os écrans por um passeio ao parque, ao jardim ou à biblioteca, é uma óptima resolução para por em marcha,agora, no início do ano.

Os mais pequenos vão divertir-se, gastar energias e dormir melhor.

A chegada do Inverno trouxe o frio, mas vamos lá descomplicar e sair para a rua, bem quentinhos, com várias camadas de roupa, para manter o calor e aproveitar o sol de Inverno.

Porque as defesas se criam em condições “adversas”, deve haver o contacto das crianças com o frio.

Antes de sair de casa aplique um creme nutritivo cold cream no rosto e mãos para proteger a pele das agressões externas.

Na mochila não pode faltar:

  • Stick nutri protector, com cold cream, para aplicar nas maçãs-do-rosto da criança e renovar a aplicação sempre que necessário;
  • Toalhetes;
  • Fraldas;
  • Biberão ou cantil com água;
  • Snack;
  • Gorro e cachecol;
  • Muda de roupa;

E se chuviscar, vista o impermeável, calce umas galochas aos garotos e deixe-os saltar nas poças de água, vale tudo menos ficar com as crianças fechadas o Inverno inteiro!

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

21
Dez18

Campanha caixinhas por tampinhas na farmácia

Revista Saúda

 

IMG_5849.jpg

No passado mês de Novembro, a farmácia Leal, em Oeiras, criou a campanha Caixinhas por Tampinhas, associando-se ao movimento nacional de recolha de tampas de plástico (tampinhas), por isso estamos neste momento a promover que sejam entregues aqui na farmácia.
Pretendemos partilhar o material recolhido com outras instituições que recolham as tampinhas para apoiar projectos de solidariedade social.
Neste sentido, convidámos a comunidade escolar da nossa área a aderir ao programa de uma forma diferente: eles entregam os resíduos de medicamentos e nós trocamos por tampinhas.
Começámos por desafiar os verdadeiros influencers das famílias portuguesas – fomos à escola conversar com as crianças, sobre o circuito da reciclagem dos resíduos de medicamentos e a dinâmica da acção.
Os medicamentos entregues à farmácia são canalizados para a Valormed, a qual é responsável pelo seu tratamento e destruição.
As tampinhas entregues à escola são canalizadas para as iniciativas solidárias que estiverem a decorrer no estabelecimento de ensino.
Esta acção visa promover a reciclagem e destina-se a apoiar projectos de solidariedade social em parceria com a comunidade local.

07
Dez18

Viajar com os mais novos

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

Viajar com os mais pequenos, sair da rotina, conhecer um novo lugar, experimentar coisas novas e experienciar emoções, é proporcionar aos mais pequenos o desenvolvimento de aptidões, que o pacote de uma viagem envolve.

Se está a planear viajar com as crianças no inverno, antes de começar a fazer as malas, consulte a previsão meteorológica no destino. Opte por levar apenas, o número de mudas de roupa para os dias da estadia, mais uma. Leve os produtos de higiene diária, como o creme de banho, o hidratante corporal e o creme da muda da fralda em tamanhos mais pequenos.

 Na mochila deve guardar, além do brinquedo preferido, o gorro, o cachecol e as luvas, que vão proteger as zonas do corpo mais expostas ao frio. Leve consigo o batom do cieiro e o cold cream, renovando a sua aplicação no rosto e nas mãos. Uma embalagem de toalhetes em formato pocket deve andar sempre à mão.

Os miúdos adoram explorar os novos lugares, e por vezes além de colecionarem memórias, trazem um arranhão de recordação.

No kit farmácia em de viagem, não pode faltar o soro fisiológico para limpar a ferida, o spray antisséptico, o creme cicatrizante e os pensos rápidos. Junte o termómetro, a água do mar em caso de congestão nasal, e o medicamento para a dor e febre.

Quando chegar ao destino guarde o kit num local fresco e seco, longe das crianças e… desligue o complicómetro, aproveite as férias!

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

09
Nov18

Espirros e ranhocas

Revista Saúda

 

 

Farmacéutica.jpg

 

 

É normal os bebés espirrarem com frequência, é um mecanismo natural para expulsar as secreções.

A limpeza do nariz deve ser feita com cuidado e superficialmente, utilizando a ponta de um lenço de papel limpo. 

Se a criança tem o nariz entupido e/ ou as secreções se tornam mais espessas, vai ter dificuldade em respirar, por isso é necessário facilitar a sua remoção:

- Incentive a criança a beber mais líquidos

- No banho promova a respiração do vapor de água durante aproximadamente dez minutos

- Utilize sem exageros um aspirador nasal que seja adequado à idade do bebé, para remover o muco. A aspiração das secreções não é uma manobra agradável para os mais pequenos, por isso é necessário fazê-lo com calma e serenidade escolhendo um local confortável e uma posição relaxante.

- Aplique soro fisiológico ou sprays de água do mar para ajudar na limpeza do nariz, evitando assim complicações posteriores como infecções do ouvido (otite), sinusite ou tosse. Ao libertar o bebé do excesso de muco está a ajudar a criança a respirar correctamente, garantindo um sono tranquilo. Melhora igualmente a  alimentação.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

26
Out18

O nariz do bebé está entupido

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

É normal os bebés espirrarem com frequência, é um mecanismo natural de expulsar as secreções.

A limpeza do nariz deve ser feita com cuidado e superficialmente, utilizando a ponta de um lenço de papel limpo. 

Se a criança tem o nariz entupido e/ ou as secrecções se tornam mais espessas, consequentemente vai ter dificuldade em respirar, por isso é necessário facilitar a sua remoção:

- Incentive a criança a beber mais líquidos;

- No banho promova a respiração do vapor de água durante aproximadamente dez minutos;

 - Utilize sem exageros um aspirador nasal que seja adequado à idade do bebé, para remover o muco. A aspiração das secrecções é uma manobra nada agradável para os mais pequenos, por isso é necessário fazê-lo com toda a calma e serenidade escolhendo um local confortável e uma posição relaxante.

- Aplique soro fisiológico ou sprays de água do mar para ajudar na limpeza do nariz, evitando assim complicações posteriores como infecções do ouvido (otite), sinusite ou tosse. Ao libertar o bebé do excesso de muco está a ajudar a criança a respirar corretamente, garantindo um sono tranquilo e que se alimenta sem qualquer dificuldade.

 

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

12
Out18

Conjuntivite

Revista Saúda

Farmacéutica.jpg

 

Os olhos do bebé limpam-se com uma gaze estéril impregnada com soro fisiológico estéril e de uso oftálmico, em unidose, no sentido nariz-orelha, de forma a desentupir o canal lacrimal e a prevenir conjuntivites. Se entrar um objecto estranho dentro do olho, não deve removê-lo com uma compressa, porque indirectamente pode provocar uma lesão por fricção, assim deve aplicar soro fisiológico abundantemente directamente no olho.

Olhos vermelhos, pálpebras inchadas e secreções oculares podem ser sinónimo de conjuntivite: inflamação da conjuntiva (membrana fina e transparente que reveste a córnea) do olho.

Esta situação afecta maioritariamente as crianças em idade escolar, devido à tendência de mexerem nos olhos. Inicialmente começa num olho mas rapidamente pode contagiar o outro.

As causas podem ser várias: vírus, bactérias ou fungos, exposição a substâncias irritantes (fumo, cloro das piscinas, detergentes e sabão) e também alergias. 

 O tratamento varia consoante a causa:

-A conjuntivite bacteriana costuma provocar secreções mais espessas, amareladas e abundantes, é aconselhado a lavagem dos olhos várias vezes ao dia e aplicar um colírio ou pomada oftálmica tópica com antibiótico, apenas quando prescrito pelo médico.

- A conjuntivite alérgica provoca secreções geralmente claras. Manifesta-se normalmente na Primavera e no Outono. É aconselhado evitar o alérgeno, lavar os olhos, e a toma ou administração tópica de um anti-histamínico apenas quando prescrito pelo médico.

Apesar de não ser fácil prevenir a conjuntivite, há alguns cuidados de higiene que podem diminuir o risco de a contrair:

  • Deve lavar as mãos antes e depois de lavar os olhos do bebé e da aplicação de colírios ou pomadas oftálmicas
  • Não partilhe toalhas de rosto
  • Evite esfregar ou coçar os olhos

 

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

Publicidade

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D