Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

09
Nov18

Espirros e ranhocas

Revista Saúda

 

 

Farmacéutica.jpg

 

 

É normal os bebés espirrarem com frequência, é um mecanismo natural para expulsar as secreções.

A limpeza do nariz deve ser feita com cuidado e superficialmente, utilizando a ponta de um lenço de papel limpo. 

Se a criança tem o nariz entupido e/ ou as secreções se tornam mais espessas, vai ter dificuldade em respirar, por isso é necessário facilitar a sua remoção:

- Incentive a criança a beber mais líquidos

- No banho promova a respiração do vapor de água durante aproximadamente dez minutos

- Utilize sem exageros um aspirador nasal que seja adequado à idade do bebé, para remover o muco. A aspiração das secreções não é uma manobra agradável para os mais pequenos, por isso é necessário fazê-lo com calma e serenidade escolhendo um local confortável e uma posição relaxante.

- Aplique soro fisiológico ou sprays de água do mar para ajudar na limpeza do nariz, evitando assim complicações posteriores como infecções do ouvido (otite), sinusite ou tosse. Ao libertar o bebé do excesso de muco está a ajudar a criança a respirar correctamente, garantindo um sono tranquilo. Melhora igualmente a  alimentação.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

26
Out18

O nariz do bebé está entupido

Revista Saúda

 

Farmacéutica.jpg

 

É normal os bebés espirrarem com frequência, é um mecanismo natural de expulsar as secreções.

A limpeza do nariz deve ser feita com cuidado e superficialmente, utilizando a ponta de um lenço de papel limpo. 

Se a criança tem o nariz entupido e/ ou as secrecções se tornam mais espessas, consequentemente vai ter dificuldade em respirar, por isso é necessário facilitar a sua remoção:

- Incentive a criança a beber mais líquidos;

- No banho promova a respiração do vapor de água durante aproximadamente dez minutos;

 - Utilize sem exageros um aspirador nasal que seja adequado à idade do bebé, para remover o muco. A aspiração das secrecções é uma manobra nada agradável para os mais pequenos, por isso é necessário fazê-lo com toda a calma e serenidade escolhendo um local confortável e uma posição relaxante.

- Aplique soro fisiológico ou sprays de água do mar para ajudar na limpeza do nariz, evitando assim complicações posteriores como infecções do ouvido (otite), sinusite ou tosse. Ao libertar o bebé do excesso de muco está a ajudar a criança a respirar corretamente, garantindo um sono tranquilo e que se alimenta sem qualquer dificuldade.

 

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

28
Set18

Assaduras, pregas e refegos

Revista Saúda

Farmacéutica.jpg

 

 

O rabinho “assado” ou a dermatite da fralda é dos problemas mais comuns na infância. Vamos descomplicar porque não quer dizer, necessariamente, que os pais não têm hábitos de higiene.

As causas mais comuns para o aparecimento ou agravamento da inflamação e vermelhidão são:

  • A introdução de novos alimentos na dieta do bebé, e a toma de certos medicamentos pelo bebé ou pela mãe que esteja a amamentar, alteram a composição das fezes tornando-as mais agressivas para a pele
  • O uso prolongado da fralda molhada ou suja favorece o contacto da pele com a urina e as fezes
  • A fralda apertada

Estas situações alteram o equilíbrio da pele, deixando-a mais sensível à acção de bactérias e fungos, que vivem nas zonas mais húmidas e quentes do rabinho, como as pregas.

Há pequenos gestos diários que previnem a dermatite da fralda:

  • Mude frequente a fralda e lave com água tépida a cada muda
  • Após a lavagem é importante secar com uma toalha macia dando especial atenção às pregas, pois são um local onde há acumulação de humidade
  • Evite os produtos com constituintes demasiado activos, as toalhitas com álcool e perfume, porque são agressivos para a pele sensível do bebé
  • Deixe a pele do bebé respirar, porque quanto mais tempo estiver sem fralda melhor

Aconselhe-se com o seu farmacêutico sobre qual a pasta de água mais adequada para tratar a irritação e reforçar a proteção da zona da fralda.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

14
Set18

Livres de piolhos

Revista Saúda

Farmacéutica.jpg

 

 

Os pais com filhos a frequentar a escola recebem por vezes alertas sobre a existência de crianças com piolhos e lêndeas.

Este micro-bicho passeia de cabeça em cabeça quando estas se aproximam e encostam durante as brincadeiras, também através de escovas, chapéus, almofadas ou lençóis.

A maioria da vezes é quase sempre a comichão que os denuncia.

Assim deve começar por procurar os piolhos atrás das orelhas e na nuca (os sítios preferidos deste parasita). Passe nos cabelos um pente apropriado, daqueles com os dentes muito finos:

  • Lave o cabelo e aplique amaciador em abundância, para facilitar o despreendimento do piolho ou da lêndea,
  • Desembarace o cabelo ainda húmido, dividindo-o em secções;
  • Penteie cada madeixa, da raiz às pontas, com o pente;
  • A cada passagem, limpe o pente a um lenço branco, os piolhos vêm-se facilmente, as lêndeas são mais resistentes fixando-se aos cabelos.

Se este micro parasita andar a passear na cabeça há antiparasitários, sob a forma de champô, creme, loção e espuma, ou pentes eletrónicos.

Estes produtos são aplicados no cabelo e couro cabeludo, atrás das orelhas e nuca, depois de algum tempo de pose passa-se com o pente fino para remover os piolhos e lêndeas.

Quando indicada uma segunda aplicação deve-se aguardar sete a dez dias.

Deve aconselhar-se com o seu farmacêutico para garantir o uso correcto de forma a assegurar a eficácia do tratamento.

Para prevenir o contágio:

  • Evite o contacto directo entre cabeças,
  • Verifique a cabeça de toda a família,
  • Lave o vestuário e roupas de cama a 60ºC,

Guarde o que não pode ser lavado em sacos durante duas semanas (A roupa ou acessórios que não se podem lavar a 60 graus, por exemplo alguns chapéus, casacos com capuz ou pêlo, bandoletes podem ficar fechadas num saco pois assim os piolhos morrem por asfixia, E depois ao fim desse tempo retira-se as peças e deita-se o saco no lixo)

Tudo isto porque basta sobreviver um único piolho para que a praga aconteça.

Os piolhos não voam mas sabem nadar, por isso é tão importante seguir a regra da touca quando se vai à piscina.

Deixe o preconceito de lado e informe a professora se o seu filho apanhou piolhos. Porque ao contrário dos humanos os piolhos não são preconceituosos e não fazem a distinção entre cabeças sujas e lavadas, assim conseguimos melhor cuidar da saúde dos nossos filhos.

 

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

Publicidade

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D