Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

01
Nov18

De pernas para o ar

Revista Saúda

 

 

IMG_20181001_071934 Dinis e a casa de pernas para

Uma casa com duas crianças pequenas pode ser sinónimo de pouca arrumação. Nas últimas semanas tivemos uma ajuda extra do Dinis que só quer abrir as gavetas e tirar tudo para fora. O primeiro sinal é o silêncio prolongado. Quando isso sucede, eu e a Zara já sabemos que alguma diabrura nova está a acontecer. A confirmação dá-se quando o Dinis chega ao pé de nós e diz: «Já tá!». 

Luís 

14
Out18

Mudança de planos

Revista Saúda

 

Mag_048.JPG

A minha ideia inicial era que a Margarida e o Daniel partilhassem um quarto, mas ultimamente o nosso pequeno tem tido noites muito agitadas por causa dos terrores nocturnos.
Penso que será positivo tanto para um como para o outro que cada um tenha um quarto. Até ao final do ano vou organizar e preparar o espaço da Margarida. De certa maneira desisti da ideia de partilharem tudo, mas não totalmente.  Estamos empenhados em ensinar ao Daniel que os brinquedos são dele e da irmã.  
Por outro lado, conversei com a pediatra e percebi que é preciso quebrar este ciclo das mamadas nocturnas… Quem sabe se ao ficar em quarto próprio, a Margarida não passa a dormir a noite inteira e torna-se mais independente. Vamos fazer figas!   


Ana

16
Mai18

Escada acima, escada a baixo

Revista Saúda

1_dia033.jpg

A mudança para esta casa obriga-me a fazer bastante exercício físico. Isto porque temos escadas. Qualquer coisa de que precise seja fraldas ou algum casaco para a Margarida ou para o Daniel tenho de ir lá acima onde estão os roupeiros e a maioria das coisas deles. Passo os dias, escada acima, escada abaixo.
O mais chato é que, muitas vezes, quando já estou a descer as escadas, olho e vejo que me esqueci de algo e lá volto eu a subir degrau a degrau.
Para além das escadas dentro de casa temos garagem. É lá que estaciono o carro, sempre que saio à rua com os meninos. Quando isso acontece tenho outras escadas à minha espera (risos) São umas escadas que, a partir da garagem, dão acesso ao interior da casa. Ando o tempo todo ora para cima ora para baixo. Mãe sofre!
Ana

28
Fev18

Por amor

Revista Saúda

 

BebeSauda_TVC6165.jpg

Antes de ser mãe tolerava muito bem as desarrumações, mas agora já não é assim. Passei a ter mais cuidado e tento ter tudo mais organizado pois sei que o Luís não tem tanta tolerância à desorganização como eu. Ele gosta da casa sempre bem arrumada. Passei a ter mais atenção para ele não stressar tanto. O meu pai sempre estudou e investigou muito e eu cresci a vê-lo rodeado de muitos livros e documentos. Habituei-me a ver coisas espalhadas por toda a casa. Mas o Luís já não é assim. Talvez esta faceta seja uma característica de farmacêuticos pois estão habituados a ter tudo organizado na farmácia.

Zara

23
Set17

Os misteriosos sumiços

Revista Saúda

 

170801 ANF bebesauda ovar rm-396.jpg

Várias coisas desapareceram cá em casa. Quando cheguei, após os 15 dias no hospital, reparei que o comando da televisão tinha desaparecido... Depois apercebi-me de que também o termómetro havia sumido. Seguiu-se um pincel de maquilhagem e também uma garrafa de guardar água. Tudo tinha misteriosamente desaparecido. Na altura, antes de eu ser internada, recordo-me que o nosso filho tinha descoberto onde ficava a porta do caixote do lixo e de que forma era possível abri-la. Como para ele é muito engraçado abrir e fechar portas, a qualquer hora, penso que foi isso que deve ter acontecido: ele atirou para lá alguns objectos e brinquedos. No nosso dia-a-dia, o pai tem sempre de ir ver o caixote do lixo e verificar se tem lá, ou não, alguma coisa. Nesses dias que estive ausente, o Daniel de certeza que pôs alguma coisa no lixo e o pai não se apercebeu. Lá ficámos sem o comando e termómetro, e sem todas aquelas coisas… E isto foi o que me apercebi, de certeza que foram muito mais coisas para o lixo! Agora já temos uma solução para os armários, são umas peças que trancam as portas. Assim o Daniel não tem acesso e a nossa casa fica mais segura.

Ana

 

 

12
Set17

Casa vazia, que estranho...

Revista Saúda

mrf20170411_MG_893000013.jpg

Fiquei sozinho cá em casa, as minhas obrigações laborais não me deixaram ir com os meninos e a Zara de férias. Foi estranho… Foi estranho ter, de repente, uma casa vazia. Está sempre cheia de brincadeiras, desarrumada, com o caos normal de uma família com dois filhos. De repente estar ali diante de uma casa em silêncio, com coisas arrumadas…foi estranho sentir isso. Deu para recuperar energias e dormi umas noites tranquilo, mas, sinceramente, fica sempre um sentimento de que me falta alguma coisa. A casa não é a mesma sem a família toda. Quando a casa não tem ninguém é um pouco estranho.

Luís

Publicidade

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D