Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

05
Dez19

Adaptação tranquila

Revista Saúda

75625405_1731175780352041_3808374125865467904_n.jp

 

O Dinis adaptou-se com tranquilidade à nova sala e equipa. É muito próximo de mim e das auxiliares, enchendo-nos de afecto e brincadeiras. É muito alegre e gosta muito de brincar com os colegas. Já está familiarizado com o espaço, os materiais e a rotina diária.

 

Patrícia Glória (educadora da Sala Azul Escura)

08
Nov19

Quando o copo é a opção

Revista Saúda

IMG_5849.jpg

Quando o copo é a opção

A “técnica do copinho” é um método seguro de alimentar o bebé quando este se recusa a aceitar o biberon ou se pretende evitar a introdução precoce de tetinas.

Recorre-se também a esta técnica se o bebé não pode ser amamentado, ou no caso de ser necessário recorrer a suplementos de leite extraído, além da amamentação regular.

O copo é uma solução para a alimentação do bebé, com leite materno ou artificial.

Há especialistas em amamentação que defendem o uso do copinho em detrimento do biberon, porque não interfere com a adaptação e sucção na amamentação. O bebé controla a ingestão de leite, estimula os movimentos correctos do maxilar e língua favorecendo o posicionamento correcto para a amamentação, entre outros benefícios.

Como utilizar a técnica do "copinho"?

  1. Lave as mãos
  2. O bebé deve estar acordado e sereno
  3. Coloque o bebé sentado ou semi-sentado, no colo
  4. Aproxime o copinho dos lábios do bebé, mantendo o nível do leite apenas a tocar os lábios
  5. O leite deve ser oferecido lentamente, com pausas, para facilitar a deglutição, devendo o bebé impor o ritmo da alimentação

Utilize um copo pequeno de vidro ou plástico, com bordos redondos.

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

 

02
Nov19

- «Mas, mas...»

Revista Saúda

 

_DSF3716.jpg

O Rodrigo tem dois anos e quatro meses e, para nós, esta é sem dúvida a fase do testing Two. Nestas semanas em particular não tem parado de dizer a palavra «mas». Tanto diz «mas eu quero…» como «mas eu faço…». Por outro lado, testa-nos porque repete tudo aquilo que dizemos no fim das frases (risos). Embora às vezes confunda os tempos verbais já é capaz de descrever o que lhe acontece. É uma fase muito engraçada, de muita conversa, partilha e muitos desafios.

Ana e Diogo

29
Out19

O meu dinossauro!

Revista Saúda

Rodrigo e o dinossauro.jpg

O Rodrigo continua a gostar muito de fazer lego, empilhar as caixas. Tem um dinossauro insuflável que adora, anda sempre com ele. Põe o dinossauro às costas, dança com ele, e se pomos músicas do Panda, ele dança com o dinossauro. É uma grande paixão! Também adora dançar, correr, e jogar às escondidas com a irmã.

Vera

Publicidade

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D