Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Amor

Blogue das aventuras de quatro bebés e os conselhos de um pediatra.

Histórias de Amor

31
Ago18

A febre é apenas um sintoma

Revista Saúda

Farmacéutica.jpg

 

A temperatura do corpo humano é de cerca de 37ºC. Se a criança estiver muito agasalhada ou num ambiente quente é provável que a temperatura corporal suba: “está quentinha” e tem as bochechas vermelhas.

Considera-se febre se os valores medidos de temperatura:

Rectal for superior a 38,0°C
Oral for superior a 37,5 °C
Axilar for superior a 37,2 °C
Timpânica for superior a 38,0 °C

 

Para saber se a criança tem febre não basta pôr a mão na testa, importa saber o valor da temperatura utilizando um termómetro para medir, lendo o folheto informativo que o acompanha.

Como medir?

A temperatura rectal é o método mais rigoroso, deite a criança de costas e introduza a ponta flexível do termómetro (de gálio ou digital) em cerca de 3 cm do ânus, num trajecto paralelo às costas da criança. A leitura com o termómetro digital faz-se ao 1º toque e, com o termómetro de gálio aos 3 minutos.

 

 Vale a pena recorrer a um serviço de saúde?

 

Sim, vale sempre a pena ir ao médico, porque só ele pode despistar outras possíveis causas para os sintomas que a febre pode esconder. Deve ir ao médico quando:

 

  • O bebé tiver menos de dois meses de idade (de idade corrigida se nasceu prematuro)
  • Se tiver idade inferior a seis meses com temperaturas iguais ou superiores a 40°C
  • Se tiver temperaturas axilares superiores a 40,0°C ou rectais superiores a 41°C
  • Se tem uma doença crónica grave

 

  • Se tem febre há cinco ou mais dias, ou se a febre reaparecer após 2 a 3 dias de temperaturas normais
  • Se houver outros sintomas associados como: náuseas, sonolência, vómitos, diarreia, dificuldade em engolir ou falta de apetite, dor de ouvidos, rigidez no pescoço, apatia, dificuldades respiratórias, manchas ou borbulhas na pele, dores nas articulações, convulsão, urina turva e/ou com mau cheiro.

Tomar um antipirético (diminui a febre) recomendado pelo pediatra na dose prescrita, medida com rigor, cumprindo os horários e intervalos entre as tomas. A criança deve beber bastantes líquidos, usar roupa leve, repousar em ambiente com temperatura amena, aplicar pachos de água fria várias vezes ao dia.

Não medique sem consultar o seu médico ou farmacêutico. Se necessário contacte o Centro de Contacto SNS 24 (808 24 24 24)

 

Luísa Leal, Farmacêutica

www.afarmacêutica.pt

31
Ago18

As tardes na piscina

Revista Saúda

DSC07442.JPG 

Comprámos, recentemente, um centro de jogos que tem divertido tanto o Rodrigo como a Margarida. São duas piscinas com um escorrega ao meio, bolas e arcos para eles brincarem. Tanto um como o outro adoram lá estar e, por isso, sempre que chegamos a casa, após mais um dia de trabalho e escola, aproveitamos o resto da tarde para estar na piscina, com sol e água quentinha. É uma alegria constante! 
Tudo o que fazemos é pelos nossos filhos, e para que cresçam bem e felizes.

Vera

30
Ago18

A primeira ida à praia

Revista Saúda

 

 

O dia estava lindo e não pensei duas vezes decidi ir à praia com a Margarida, naquela que seria a sua primeira vez. Pelo caminho comecei a ficar receosa. Se ela não gostasse e fizesse uma birra daquelas que fazem todas as pessoas ficarem de olhos postos em nós ia ser terrível.Com duas mochilas, um balde com brinquedos, um guarda-sol e uma miúda ao colo, aventurei-me no areal. E ainda bem que o fiz. A Margarida adorou. Ela gosta mesmo de praia. Estava muito bem-disposta, sorridente e excitada. Mas do que ela gostou mesmo foi da areia. Inicialmente, um misto de curiosidade e espanto, depois, após mexer e remexer, meter na boca e estranhar, estava mesmo muito contente com os dedinhos feito croquetes. Esta minha miúda é mesmo uma delícia.

 Ana 

28
Ago18

Passeio musical

Revista Saúda

 

IMG_1085.JPG

Decidimos experimentar uma nova actividade com o Rodrigo. Agora que ele está mais crescido fomos até ao Oceanário de Lisboa para ver um concerto para bebés. O concerto foi muito giro e interactivo e o Rodrigo adorou poder tocar alguns instrumentos musicais que estavam ao dispor das crianças. Quando o concerto acabou fizemos o resto da visita. Ele adorou ver os pinguins e os peixes que foi encontrando nas grandes “janelas” que dão para o aquário central. Não conseguimos contar a quantidade de vezes que disse «ahhh!» admirado com tudo o que via.

Para o Diogo também foi um excelente programa pois ele adora ver espécies diferentes.

Quando saímos de lá prometemos que haveríamos de voltar. E vamos reservar já porque os concertos são tão concorridos que são vários meses de espera até chegar a nossa vez. Mas vale bem a pena!

IMG_1079.JPG

 

IMG_1089.JPG

 

Ana 

28
Ago18

Cheirinho de mãe

Revista Saúda

mrf20170831_MG_192800084.jpg

Quando chega a noite e me deito, o Rodrigo adormece comigo na cama mas se me volto para o outro lado da cama, ele também se volta no mesmo sentido. Acredito que é por causa do meu cheiro, ele sente que a mãe está ali. Por este motivo gostava de tentar mudá-lo para o próprio quarto para ver se ele se adaptava e não ficava tão dependente do cheiro e do contacto da mãe. Até já cheguei a experimentar pôr uma camisola minha, quando ele está na cama, mas não resultou.

Quando foi com a Margarida este processo foi tão diferente, aos cinco meses ela já estava a dormir no próprio quarto. Acordava só uma vez durante a noite, e eu, claro, levantava-me, dava-lhe de mamar e voltava a deitá-la. Ela voltava a dormir, mas o Rodrigo é muito, muito diferente.

Vera

27
Ago18

Coisas de menina

Revista Saúda

Ana&Daniel124.jpg

 

Como a Margarida nasceu muito pequenina não gostava de dar-lhe banho. Ainda hoje me faz confusão. É uma menina e tem coisas de menina e por isso continuo um bocado super protector em relação a ela. Não de lhe tirar ou vestir roupa porque tenho medo de a aleijar. Também não gosto de lhe mudar a fralda, lá está porque ela tem peças que não fazem sentido. Também não percebo porque é que a Ana insiste em pôr-lhe uma pinça (travessão) metálica no cabelo. Não gosto e não é por uma questão estética, é mesmo pensar que ela arranca aquilo e que vem com uma mecha de cabelo junto. 

Daniel

26
Ago18

A um ritmo acelerado

Revista Saúda

BebeSaudaDinis_TVC1831.jpg

 

O Dinis pode começar a andar a qualquer momento e também está muito desenvolvido em termos de linguagem. Já conseguimos entender algumas palavras que diz. Com dois filhos as comparações são inevitáveis e o Dinis está mais evoluído do que o Miguel estava nesta fase. Achamos que o principal motivo é o facto de o Miguel ter ido para a escola mais tarde com um ano, enquanto o Dinis entrou com seis meses. Os estímulos da escola são muito importantes. Em casa ele tenta acompanhar o irmão nas brincadeiras. Vê-se que o Dinis tenta, naturalmente, evoluir a um ritmo mais acelerado. Tem uma destreza manual e uma percepção da realidade, das brincadeiras e do dia-a-dia muito diferente do que o irmão tinha nesta idade. Tem sido uma evolução algo rápida. E está prestes a andar sozinho, já se agarra a tudo e já consegue deslocar-se em casa agarrado às coisas. Mesmo o agarrar a nossa mão, é só um pequeno apoio que ele precisa. É mais um apoio psicológico. Estas são as grandes conquistas das últimas semanas.

Luís

25
Ago18

Levanta-te mãe

Revista Saúda

 

ANF_bebe_Fundão_50.jpg

O Rodrigo está numa fase em que anda muito apegado à mãe e acorda muitas vezes durante a noite. Já falamos em pô-lo a dormir no próprio quarto, mas, sinceramente, ainda não estou a ver a Vera a deslocar-se ao quarto do Rodrigo três ou quatro vezes por noite… Ainda é mais confortável ter o berço no nosso quarto. É um processo progressivo. Talvez durante este Verão se faça a mudança.

Hugo

Pág. 1/4

Publicidade

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D